Afídeos em fruteiras – quais são as principais espécies?

Afídeos em fruteiras - quais são as principais espécies?

Afídeos em fruteiras – quais são as principais espécies?

Os afídeos são a principal praga das culturas fruteiras, causam deformações nas folhas, caules e frutos, debilitam a planta, mancham os frutos e, em alguns casos, destroem os gomos foliares e florais.

Podemos considerar quatro espécies de afídeos predominantes em fruteiras: Myzus persicae, Dysaphis plantagina, Myzus cerasi e Aphis pomi.

Myzus persicae (Sulzer)

É o afídeo mais comum no pessegueiro, a planta preferida desta espécie, mas também pode atacar outras fruteiras como damasqueiro, ameixeira, amendoeira ou cerejeira.  Também se encontra em plantas herbáceas, preferencialmente nas solanáceas.

São conhecidas mais de 40 espécies vegetais hospedeiras deste inseto. Reproduz-se de forma assexuada durante todo o ano, caso tenha um hospedeiro ativo, mas no Outono-Inverno produz uma geração sexuada que põe ovos, que passam o Inverno protegidos nos gomos do pessegueiro. 

Myzus persicae tem corpo de cor verde-amarelada, com manchas longitudinais escuras, embora por vezes surjam colorações de tons vermelhos ou rosa. Tem antenas compridas, claras na base e gradualmente mais escuras em direção ao ápice. Este afídeo infesta a página inferior das folhas, produzindo o endurecimento do limbo, as picadas da sua alimentação causam deformação das folhas, lançamentos e flores. As folhas podem tornar-se amarelas ou, por vezes, rosadas. Os lançamentos não se desenvolvem corretamente.

Este afídeo é um dos grandes transmissores de vírus, eventualmente o maior, sendo-lhe atribuída a responsabilidade por ser o vetor de mais de 100 viroses, muitas das quais persistentes.

Caracterização:

  • Sifúnculos compridos e convergentes com ápice escuro.
  • Sifúnculos e cauda de cor verde-claro.

Disaphys plantaginea (Passerini)

Conhecido como piolho cinzento da macieira, Disaphys plantaginea é uma praga específica da macieira. Apresenta seis a nove gerações, cujo hospedeiro primário é a macieira, produzindo uma geração alada que migrará para o seu hospedeiro de Verão, a planta Plantago ssp (tanchagem). Especialmente Plantago lanceolata (língua-de-ovelha) ou Plantago major (tanchagem maior). 

As fêmeas adultas vivíparas (não aladas) do piolho cinzento medem 2,1 a 2,6 mm de comprimento e são de cor rosa a cinzento-azulado escuro com uma capa branca de cera pulverulenta. Os sifúnculos são negros e cónicos e a cauda é escura, curta e triangular. As antenas dos ápteros têm no mínimo o comprimento da distância entre a frente e a base dos sifúnculos. Os sifúnculos do Disaphys plantaginea são bastante compridos em comparação com os de outras espécies de Disaphys. O corpo do Disaphys plantaginea áptero mede 2,1 a 2,6 mm.

Este afídeo provoca deformações das folhas, lançamentos e frutos. Os frutos ficam pequenos e com forte aderência aos ramos, perdendo o seu valor comercial. Além disso, a melada produzida por este afídeo provoca o desenvolvimento de fumagina que suja os frutos e atrai formigas. 

Caracterização:

  • Sifúnculos escuros, medindo três a quatro vezes mais do que a cauda.
  • As antenas chegam à base dos sifúnculos.

Aphis pomi (DeGeer)

Aphis pomi áptero é verde-claro brilhante ou verde-amarelado e não tem a carapaça coberta de cera em pó. O dorso abdominal é pálido e geralmente completamente membranoso, raras vezes surge um pequeno esclerito ou uma barra curta na coluna do tergo 5. Os dois últimos segmentos rostrais unidos têm mais de 120 μm de comprimento e os estiletes marginais encontram-se nos tergos abdominais 2- 4 (os dois últimos caracteres distinguem o Aphis pomi do afídeo Aphis spiraecola, que é muito semelhante). Os sifúnculos e a cauda são negros. A cauda tem 10 a 19 pelos (raramente menos de 13).  O corpo de um áptero adulto mede 1,2 a 2,2 mm. O piolho verde da macieira não hospeda alternativas.

Alimenta-se em densas colónias dos gomos jovens e da página inferior das folhas da macieira (espécie Malus) e de plantas afins como a pera (Pyrus), o espinheiro branco (Crataegus), Sorbus e Cotoneaster, causando alguns danos nas folhas, mas sem grandes prejuízos para a produção dos frutos. As colónias de pulgões em geral atraem formigas. As formas sexuadas ocorrem no Outono e, após o seu aparecimento as fêmeas põem por vezes grandes massas de ovos nos ramos. Encontra-se em geral por toda a Europa, norte de África, Ásia até ao este (Índia e Paquistão) e América do Norte. 

Caracterização:

  • Com cauda e sifúnculos pretos.
  • Patas e antenas pálidas com extremidades negras.
  • Corpo de cor verde ou verde-amarelado com cabeça escura.

Myzus cerasi (Fabricius)

É um afídeo pequeno a médio, de cor castanho-escuro a negro, brilhante, com o dorso esclerotizado. As patas e as antenas são amareladas e negras e a cauda é castanha. Os sifúnculos são cilíndricos e negros com a parte distal ligeiramente curvada para fora. O comprimento corporal do Myzus cerasi áptero é de 1.8 a 2.6 mm.

Conhecido como pulgão negro da cerejeira, tem esta espécie fruteira (Prunus cerasus, Prunus avium) como o seu principal hospedeiro, mas durante o Verão pode migrar para hospedeiros secundários das famílias Rubiaceae (Asperula, Galium), Orobanchaceae (Eufrasia, Rhinanthus), Plantaginaceae (Verónica) etc. No entanto, podemos encontrar colónias deste afídeo que permanecem nas plantas hospedeiras secundárias durante todo o ano, reproduzindo-se de forma sexuada e hibernando na forma de ovo; por vezes é-lhe atribuído o estatuto de subespécie, Myzus cerasi veronicae. As formas de Prunus cerasus e Prunus avium também se consideram por vezes como diferentes subespécies ou inclusive espécies. A migração de retorno ocorre em setembro-outubro.

É um afídeo muito comum em cerejeira e ginjeira. Coloniza a página inferior das folhas, as suas picadas produzem enrolamento e distorção das folhas e dos lançamentos jovens; melada, queimaduras e dessecação das folhas.

Como podemos controlar os afídeos em fruteiras?

A Syngenta lançou um aficida respeitosamente eficaz para controlar afídeos em culturas fruteiras: AFINTO. É uma ferramenta muito eficaz em aplicações precoces e caracteriza-se por ser:

Sustentável – Respeita a fauna auxiliar, é ideal para produção integrada.

Único – Modo de ação diferente e sem resistências conhecidas.

Eficaz – Controla mais de 40 espécies de afídeos.

Rápido – Elevado efeito de choque e com proteção duradoura.

Conheça todas as características de Afinto neste vídeo:

Afinto® substitui soluções antigas, com um perfil toxicológico mais favorável. Além disso, tem elevada eficácia a muito baixa dose (g ma/ha), reduzindo assim a quantidade de produto a utilizar.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *