A difícil tarefa de lançar um produto fitofarmacêutico no mercado

A difícil tarefa de lançar um produto fitofarmacêutico no mercado

É praticamente inevitável que, em dado momento, os agricultores tenham que recorrer a produtos fitofarmacêuticos para fazer face a pragas e doenças que podem provocar elevados prejuízos nas suas culturas. O problema é que as diversas instituições que regulam o seu uso – tanto na União Europeia como no resto do mundo – impõem normas cada vez mais exigentes, tendo por base o avanço da Ciência, mas de certa forma também influenciadas pela crescente desconfiança da sociedade face a estes produtos.

O agricultor vê-se confrontado com a necessidade de proteger as suas culturas, mas usando apenas os produtos e doses que a legislação permite, o que nem sempre é fácil, já que os seres vivos e as leis não evoluem ao mesmo ritmo.

Felizmente, as empresas que se dedicam à proteção das plantas trabalham continuamente para criar novos produtos ou reformular alguns dos existentes, investindo somas avultadas para desenvolver o produto fitofarmacêutico perfeito.

Quanto custa obter o produto fitofarmacêutico perfeito

Para lançar um produto fitofarmacêutico no mercado é necessário um elevado investimento de tempo, recursos e pessoas. Para dar uma ideia, estima-se que são precisos 140.000 compostos, 10 anos, 250 milhões de dólares e o trabalho de milhares de cientistas em todo o mundo para lançar um novo produto fitofarmacêutico no mercado.

Tudo começa com a identificação do problema, ou seja, uma nova praga ou uma praga já existente que requer novas soluções. O primeiro passo é identificar os compostos químicos que podem solucionar o dito problema, que são muitíssimos (na ordem das 15.000 substâncias candidatas), embora felizmente as novas tecnologias permitam acelerar este processo. As substâncias químicas encontradas são submetidas a uma série de testes para comprovar que têm as propriedades desejadas e para avaliar a sua toxicidade e a segurança ambiental em condições controladas. Na segunda fase as substâncias candidatas reduzem-se a uma dezena e é entre estas que se identifica a substância ativa capaz de controlar a praga. A partir daqui é preciso escolher os restantes componentes que entram na formulação do produto fitofarmacêutico (à semelhança do que acontece com os excipientes dos medicamentos), chegando-se ao produto final.

Mas o processo não acaba aqui. De seguida é preciso realizar ensaios de campo, a partir dos quais é compilada uma enorme quantidade de dados para demonstrar que o uso do produto é seguro e eficaz, de forma a que se possa concluir com sucesso o desenvolvimento e homologação do produto fitofarmacêutico. Atualmente são realizados mais de 100 testes específicos, recorrendo a uma ampla rede de laboratórios e campos de ensaio, de modo a testar o maior número possível de cenários diferentes.

Finalmente chega-se à última fase: obter uma autorização de venda. A empresa que desenvolveu o produto submete o pedido de autorização (acompanhado de toda a informação científica e dos estudos necessários que suportam a sua idoneidade), iniciando-se um longo processo burocrático até que as autoridades competentes aprovem a comercialização do produto.

O trabalho não se cinge à venda do produto fitofarmacêutico

Normalmente quando se lança um novo produto fitofarmacêutico, a empresa que o desenvolveu segue de perto o comportamento do produto, recompilando dados para poder melhorá-lo no futuro, dando formação e apoio técnico aos agricultores para que o usem de forma segura e eficaz. O Good Growth Plan da Syngenta é um bom exemplo de um compromisso que vai para além do desenvolvimento de novos produtos fitofarmacêuticos ou outros fatores de produção (sementes, nutrientes, etc).

Além disso, a indústria de proteção das plantas colabora com outras entidades para garantir o melhor uso possível dos produtos fitofarmacêuticos. É habitual por exemplo que os fabricantes de máquinas agrícolas e equipamentos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos colaborem melhorando os bicos de pulverização ou incorporando inovações tecnológicas que permitam aplicar estes produtos fitofarmacêuticos exatamente onde são necessários.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *